#Crítica: Elite 3 tem final emocionante e mantém suspense para futuras temporadas

Mantendo o legado de um bom enredo, a terceira temporada de Elite estreou em meio a pandemia do coronavírus no Brasil e no mundo e garantiu à série, a posição dos primeiros lugares no TOP 10 dos mais vistos da Netflix por dias.

De volta às aulas no Las Encinas, os estudantes tentam bravamente incriminar Polo pelo crime cometido à Marina na primeira temporada, mesmo com a confissão da ex-namorada (Carla), o jovem busca manter a reputação e acaba morrendo [não é spoiler já que foi revelado no trailer].

O suspense característico da série carrega até o último episódio a busca desenfreada pelo assassino(a), o que surpreende é a forma que é revelada a morte e o incriminado, arrancando lágrimas como uma das cenas mais verdadeiras da temporada.

Leia Também: “Amizade Dolorida” mistura psicologia com fetiches

Nem só de crime vive Elite, com muita dose de ácidos e drogas ilícitas, a série tem as doses de sexo nas alturas, com muito oral, sexo a três e traições, inclusive um ponto alto e bem pensado de como se revela a traição de um dos casais da trama.

Elite 3 chega ao fim, com o desfecho de alguns personagens (ou não) e com a premissa de que o suspense não chegou ao fim, deixando ainda em incógnita alguns personagens chaves e a permanência de outros na escola que tem uma má reputação porém que faz todo mundo querer se formar por lá.

Deixe seu comentário!

Andy Santana

CEO do Soda Pop, fotógrafo, inquieto, formado em moda e que ama música. Não exatamente nesta mesma ordem!

Andy Santana has 6703 posts and counting. See all posts by Andy Santana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: