Estilista expõe Pabllo Vittar, Gloria Groove, Linn da Quebrada e Urias

O estilista Apolinário, de 27 anos, que já passou pela redação do FFW e criou sua própria marca a “Cemfreio”, aposta no gênero fluído, ou seja, em não se limitar a criar roupas para um determinado público específico, teve suas peças vinculadas em revistas de moda, participou de semana de moda e também vestiu muitas artistas LGBTQIA+ em ascensão.

Pabllo Vittar, Gloria Groove, Linn da Quebrada e Urias são algumas das artistas que já se vestiram com produções e peças do stylist. Porém neste sábado (31), o criador usou seus stories no Instagram para expor as artistas mencionadas, alegando condições escravas de trabalho, não devolução ou estrago de peças e materiais pessoais e até calotes.

Leia Também: Anitta doa look de “Me Gusta” para leilão em prol ao Pantanal

Apolinário começou o relato ao revelar sua história com a moda, que teve início na multinacional “Hering / PUC” aos 18 anos, depois de uma experiência na BOX 1824, ele partiu para a Cemfreio e participou da “Casa de Criadores” com o primeiro desfile ativista da semana underground de moda paulistana.

Na sequência, o designer falou sobre os cargos de liderança que teve em diversos espaços e instituições de ensino e sentenciou: “eu desisti disso, porque as pessoas não valem a pena, só que eu estou aprendendo que existem pessoas que valem a pena. As pessoas nas quais eu apostei, elas não valiam, mas tudo bem!

Essas pessoas merecem saber o que elas fizeram comigo, não foi o certo.” continuou o relato através da sua rede social, apontando que seu trabalho foi descartado e se comparando como algo inútil. “Eu não quero nada delas, não quero dinheiro, não quero amizade, não quero proximidade, pra mim são pessoas com caráter duvidoso. Eu só quero os meus pedidos de desculpas. E também se não acontecer, eu estou deixando organizado para o mundo que eu tentei.

Eu preciso entender o por que a Linn [da Quebrada] priorizou o Eduardo do Brechó Replay, sabendo que ele era estuprador. Eu preciso entender porquê a Gloria, me demitiu quando eu comecei a pedir R$100, para ir nas diárias com ela, porque ela estava começando a demandar que eu levasse mala pros eventos e que ela também nunca me pagou.

E outro lance é: Pabllo [Vittar] devolve meus documentos! Você está com a minha certidão de nascimento, você está com o meu diploma, você está com todos os meus documentos. Tipo, é esse o nível de coesão e coação que essas pessoas estão comigo.

Apolinário mostra que a relação deles eram de amizades e afeto, desde o início da carreira, ele esteve sempre presente ajudando. “É muito mais fácil me pintar de louco do que parar, ouvir e falar assim: ‘tá beleza, me desculpa! Tudo bem? Vamos esquecer? Vamos passar para a próxima página?

Continuando o exposed, o criador publicou uma sequência de fotos com a Linn da Quebrada, usando suas peças e até publicações que ele escreveu sobre a artista nos veículos que trabalhava. “Eu não gosto da Linn, porque eu dei tudo o que eu tinha na mão dela e ela cagou em cima, esfregou a mão, pisou, arrastou o pé e jogou/deixou na Europa. Por isso que eu não gosto da Linn“.

Eu não gosto da Urias, porque ela quebrou uma jaqueta minha que custou uma micro fortuna, para mandar produzir e me bloqueou, só para não ter que me pagar.” Na sequência, Apolinário citou a Groove: “Eu não gosto da Gloria, porque quando eu comecei a pedir R$100, para ela pra poder ir com assistente e mala nas datas que ela precisava, ela… se desligou. Fingiu que não precisava mais e isso: f*da-se“.

A indignação fica por conta dos inúmeros trabalhos prestados para os artistas citados, pois não ocorreram de forma isolada ou uma única vez, era constante a demanda, e ele expôs que pagava sua própria alimentação e transporte, tecidos, etc. “Quando não tinha alternativa, eu tava lá, pra ser a alternativa.

Até o momento do fechamento desta reportagem, só a Bianca Dellafancy se desculpou via DM com o estilista. Reconheceu o erro e disse estar fazendo diferente hoje em dia. As demais ainda não se posicionaram sobre as acusações.

Reprodução / Instagram

Deixe seu comentário!

Andy Santana

CEO do Soda Pop, fotógrafo, inquieto, formado em moda e que ama música. Não exatamente nesta mesma ordem!

Andy Santana has 6881 posts and counting. See all posts by Andy Santana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: