#Evento: A história de sucesso do Green Valley

Uma tenda improvisada em 2005, que resultou em 2 anos estudando locais, formas e detalhes, para em novembro de 2007, finalmente nascer o Green Valley, um espaço em Santa Catarina cercado pela Mata Atlântica para receber o ícone Carl Cox em uma festa local.

Tinha como não dar certo? Esse foi o primeiro evento que podemos chamar de início do Green Valley que surgiu simples e despretensioso, mas que 12 anos depois comemora seu aniversário com grandes feitos (e prêmios) na lista.

Leia Também: Festa Mel, uma ode ao brega

No ano seguinte de sua estreia, em 2008, a casa já começava a colecionar grandes premiações como “destaque do ano” e “melhor super club” no Cool Awards. Em constante evolução, o Green Valley foi se transformando para além de um club, e a cena eletrônica passou a reconhecer isso.

Em 2010, GV foi indicado ao Internacional Dance Music Awards (IDMA), uma das maiores premiações do universo eletrônico na categoria “Melhor Club do Mundo”, e marcou presença no também importantíssimo TOP 100 Clubs da DJ Mag em 27º lugar. No período de um ano, o club conseguiu subir inúmeras posições neste ranking, ficando na terceira posição em 2011. Escalando a lista, o segundo lugar chegou em 2012, e no ano seguinte em 2013 o Green Valley se consolidou como o melhor club do mundo com o primeiro lugar no Top 100 Clubs.

Leia Também: TOKKA, festa LGBTQ+ eletrônica confirma edição em São Paulo

A casa se manteve em altas colocações na lista, ficando entre o segundo lugar (em 2014 e 2016) e novamente no topo do ranking (em 2015 e 2018). Vale ressaltar que a enquete é reflexo do voto popular, conquistado com muitas noites inesquecíveis e apresentações de grandes DJs nacionais e internacionais da cena.

Com uma trajetória espetacular, o Green Valley comemora seus 12 anos de existência com uma superfesta no dia 16 de novembro, intitulada Reborn, que marca um período de modificações estruturais e novas surpresas por todo o club.

Leia Também: AFROPUNK & Feira Preta se unem na realização do “Black To The Future”

Escalados para o grande baile, estão os residentes Chemical Surf, que em novo projeto dividem o palco com Dubdogz, formando o Chemical Dogz, atração de festivais como Só Track Boa e Lollapalooza. O destaque vai ao duo sul-africano Goldfish que traz ao club uma performance com instrumentos musicais ao vivo. Além destes, o warm up fica com AB & Hamy e Pimpo Gama, e o encerramento com RDT. Clique aqui para comprar seu ingresso.

Deixe seu comentário!

Andy Santana

CEO do Soda Pop, fotógrafo, inquieto, formado em moda e que ama música. Não exatamente nesta mesma ordem!

Andy Santana has 5541 posts and counting. See all posts by Andy Santana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: