Cris Romagna lança EP “Cadê Você” com direito a experiência de realidade aumentada

Em busca de levar ao seu público uma experiência mais profunda com a sua música, o cantor e compositor Cris Romagna, apresenta nesta sexta-feira (20), seu novo EP “Cadê Você”, que chega acompanhado de uma tecnologia inovadora. Por meio de uma estratégia phygital, um kit composto por uma carta personalizada, um copo de cerâmica artesanal, um café especial e um cartão postal que é  a chave para uma grande surpresa, Cris Romagna aparecerá na casa de seus fãs de forma inédita, utilizando uma nova tecnologia de realidade aumentada. Confira nossa entrevista com o artista que revela mais sobre o trabalho e suas expectativas:

Soda Pop: Como a pandemia influenciou no processo de composição de “Cadê Você”?
Cris Romagna: Falando da canção “Cadê Você”, especificamente, ela foi composta antes da Pandemia, em outubro de 2018. Então a pandemia influenciou na gravação do EP “Cadê Você”, pois foi logo depois que o isolamento veio e todo mundo ficou parado. Eu e os meus parceiros musicais, nos encontramos para gravar o EP, tomando todos os cuidados, claro, e foi a primeira gravação de todos depois desse período. Essa alegria e vontade de tocar, de estarmos juntos novamente, de trabalhar se reflete no EP.

Leia Também: Rapidinha com Lucas Paiva

SP: Como surgiu a ideia da divulgação do trabalho com a tecnologia de realidade aumentada?
CR: Eu já estava fazendo um trabalho paralelo com a The Flower Punchers, uma parceira que recebeu o primeiro KitLeva e adorou. Ela, a Carol Garcia, tem muitas parcerias e uma delas é do Studio Acci de criação de realidade aumentada e imersiva. Ela viu o trabalho, gostou e sugeriu de fazermos o Cris chegando na casa das pessoas e dando um recado através de uma ativação. Em um primeiro momento, ela me mandou um vídeo com essa proposta e eu topei na hora, pois eu gosto de coisas novas. Nisso fizemos essa experiência phygital (físico com o digital), pois é o cartão postal que ativa a realidade aumentada dentro da casa das pessoas. Então, veio dessa parceria que faz parte da experiência do KitLeva.

SP: Hoje o consumo de música se tornou quase que um “fast music”, com lançamento quase que diário, esta experiência é um caminho para conquistar e fidelizar os fãs?
CR: Quando a gente pensou na experiência KitLeva, é justamente porque no dia a dia das pessoas, nas plataformas de música há muitos lançamentos, artistas com músicas muito boas e dentro desse mercado que está acontecendo agora, esse “fast music” acaba não proporcionando a experiência de escuta. As pessoas consomem músicas só em playlists. Eu notei que as pessoas que me acompanham e procuram meu trabalho gostam de ouvir obras completas. Pensando nisso, criamos essa estratégia phygital (físico com digital) para poder dar mais vazão ainda para uma ideia de criar laços e conexões reais com as pessoas que me acompanham. Eu entendo que esse mercado é um pouco desgastante, pois a gente tem que lançar sempre um single e que ele agrade. Acaba que muitas vezes, o público também quer ouvir o que a gente tem para falar. Quer sair um pouco da sua zona de conforto e pensar diferente, ouvir com calma e entender a cabeça do artista, assim como o artista gosta de entender o seu público.

Leia Também: Junin lança projeto solo e autoral, fruto de experimentos da quarentena

SP: Seu feat. com a Anna Pêgo, fala sobre sensibilidade e empatia. Em tempos difíceis, como vê a importância deste trabalho?
CR: Esse feat. com a Anna Pêgo aconteceu de uma forma muito natural, porque essa música já estava gravada e a gente precisava encontrar uma cantora que pudesse encaixar no mesmo tom. O produtor desse disco recebeu um material da Anna e me mandou um vídeo. Já tínhamos pensado em vários nomes, mas quando ouvi três ou quatro notas da melodia da voz dela eu já sabia que seria ela. Foi muito impressionante, a voz dela já estava no tom da música “Cadê Você”. Eu entrei em contato para saber se ela topava e foi muito rápido. Ela me mandou voz e violão com a parte dela e foi incrível. Essa canção é um flerte entre o artista e a musa inspiradora, que é a própria música representada nessa canção pela doçura e ao mesmo tempo firmeza da Anna, que é uma potência de voz e encaixou perfeitamente com a música. Parece que foi feita para ela.

SP: Qual mensagem pretende deixar com “Cadê Você”?
CR: “Cadê Você” é a atenção ao encontro, ao processo, é mais sobre a caminhada do que o sucesso da chegada. É sobre poder curtir o caminho. Quando eu era mais novo, quando ia gravar ficava mais ansioso querendo saber o que ia acontecer. Hoje, eu curto o processo e as coisas acontecem muito mais belas, falando esteticamente, e as pessoas sentem isso. A música é sobre esse “entre”. O disco termina com “Passageira”, ou seja, esse EP tem início, meio e eterno. Nunca finaliza. A mensagem que quero deixar é essa “nunca deixe de curtir os processos”.

Deixe seu comentário!

Andy Santana

CEO do Soda Pop, fotógrafo, inquieto, formado em moda e que ama música. Não exatamente nesta mesma ordem!

Andy Santana has 7839 posts and counting. See all posts by Andy Santana

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: